Você está em seus primeiros escritos e precisa de dicas para escrever contos? Está perdido? Os contos estão ficando bons? O que está faltando?

Então você precisa conhecer estas dicas. São conselhos fundamentais de um dos maiores escritores de contos do nosso continente, Horacio Quiroga.

Espera aí, não conhece o Quiroga? Vamos te apresentar.

E ainda tratar sobre vários temas. Originalidade. Motivação na hora de escrever. Qual sua verdade? Referências. Criação de personagens. E muitos outros temas.

Continue lendo esse artigo para saber mais sobre como escrever um bom conto.

 

Quem foi o escritor Horacio Quiroga?

dicas para escrever contos

São pouquíssimas as fotos de Quiroga. Portanto, aí vai uma delas (e que barba!).

Muito apreciado pelos argentinos, o contista Horacio Quiroga (1879 – 1937) é pouco conhecido no Brasil.

Seus contos abordam temas importantes. Loucura. Amor corrompido. Morte. Vícios. Sempre com a presença da natureza, que protagoniza muitos de seus relatos. O estilo lembra um pouco Edgar Allan Poe.

Seu livro mais famoso Cuentos de amor de locura y de muerte, no original, inclusive já foi citado como um dos dez livros indispensáveis da literatura argentina.

Destaque para o conto A Galinha Degolada, uma narrativa de suspense que dá calafrios.

Diagnosticado com câncer, em 1937, Quiroga suicidou-se ao ingerir uma dose letal de cianureto.

 

10 Dicas para escrever contos

Deixemos o triste fato de seu fim. Além de contos incríveis, Quiroga deixou essas dicas preciosas.

Leia também nossa lista de livros obrigatórios para quem deseja ser escritor.

Vamos conferi-las:

Dica 1 – Referências

Creia em um mestre — Poe, Maupassant, Kipling, Tchekov — como em Deus mesmo;

Dica 2 – Seja exigente

Creia que sua arte é um cume inacessível. Não sonhe em domá-la. Quando puder fazê-lo, você o conseguirá sem mesmo sabê-lo;

Dica 3 – Originalidade

Resista o quanto puder à imitação, mas imite se o influxo for forte demais. Mais do que qualquer outra coisa, o desenvolvimento da personalidade é uma grande paciência;

Dica 4 – Coração e a arte

Tenha fé cega não em sua capacidade para o triunfo, senão no ardor com que o deseja. Ame a sua arte como à sua namorada, dando-lhe todo seu coração;

Dica 5 – Conheça sua história

Não comece a escrever sem saber desde a primeira palavra aonde vai. Em um conto bem realizado, as três primeiras linhas têm quase a importância das três últimas;

Dica 6 – Seja preciso

Se quer expressar com exatidão esta circunstância: “Do rio soprava o vento frio”, não há em língua humana mais palavras do que as apontadas para expressá-la. Uma vez dono de suas palavras, não se preocupe em observar se são consoantes ou assonantes entre si;

Dica 7 – Adjetivos

Não adjetive sem necessidade. Inúteis serão quantas notas de cor adicionar a um substantivo débil. Se achar aquele que é necessário, apenas ele terá uma cor incomparável. Mas tem de achá-lo;

Dica 8 – Seja conciso

Tome seus personagens pela mão e conduza-os firmemente até o final, sem ver outra coisa além do caminho que lhes traçou. Não se distraia vendo o que eles podem ou não lhes importa ver. Não abuse do leitor. Um conto é um romance depurado de cascalho. Tenha isto como uma verdade absoluta, mesmo que não seja;

Dica 9 – O caminho das emoções

Não escreva sob o império da emoção. Deixe-a morrer, e evoque-a depois. Se for capaz então de revivê-la tal qual foi, terá chegado à metade do caminho na arte;

Dica 10 – A vida do conto

Não pense em seus amigos ao escrever, nem na impressão que causará sua história. Conte como se seu relato não tivesse mais importância do que para o pequeno ambiente de seus personagens, dos quais você poderia ter sido um. De nenhum outro modo se obtém a vida do conto.

***

Quer aprender ainda mais e obter dicas para escrever contos? Então inscreva-se no formulário abaixo para receber em breve mais novidades sobre o assunto!



Vilto Reis

VILTO REIS é autor de Um gato chamado Borges, livro finalista do Prêmio SESC 2015, e da monografia As teorias narrativas de Hitchcock aplicadas à Psicose. Tem contos publicados nas revistas Pulp Fiction, Flaubert, Raimundo, Pluriversos e no portal hispânico CuentoColectivo. Faz leituras críticas de originais e atua como coaching literário. Também é idealizador do site Homo Literatus, além de apresentador do podcast 30:MIN e de inúmeras séries de vídeos no Youtube.